Páginas

terça-feira, 6 de junho de 2017

Quod erat demonstrandum...pelo ex-novel Bilderberger.

24Sapo:

Em conferência de imprensa, António Mexia lamentou não ter podido esclarecer o objecto da investigação, em que é um dos quatro arguidos, logo na sexta-feira, dia em que foram realizadas buscas na eléctrica, adiantando que só teve acesso ao processo na segunda-feira.
"Temos pena de não ter podido fazer isto na sexta-feira ou ontem [segunda-feira], mas só ontem tivemos acesso ao processo. Por isso, só hoje podemos explicar o que está em causa", declarou.
António Mexia garante que EDP não teve qualquer benefício 
"Não houve claramente nenhum benefício para a EDP em 2004, nem em 2007, no contexto de processos que não foram da iniciativa da EDP, mas que decorrem de obrigações legais em que a EDP sempre cumpriu a lei", declarou o presidente da EDP, referindo-se aos dois processos, que explicou estarem a ser objecto da investigação do Ministério Público, que conta com quatro arguidos, entre eles, António Mexia.
Em conferência de imprensa, em que também está presente o presidente da EDP Renováveis, João Manso Neto, outro dos arguidos no inquérito a eventuais crimes de corrupção e participação económica em negócio na área da energia, Mexia realçou que a actualização dos parâmetros de mercado, em 2007, reduziu em 75% o valor do Custos para Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC) inicial e aumentou em 56% o valor entregue pela EDP ao Estado pelo domínio público  
"Não houve nenhum benefício em nenhuma das fases aqui referidas", sublinhou, considerando que "a EDP não pode aceitar com ligeireza que se ponha em causa o bom nome das pessoas e sobretudo o desempenho da companhia ao longo de décadas".
Em causa estão os Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC), que substituíram os Contratos de Aquisição de Energia (CAE), a partir de 2004.
"Pondero a minha demissão? Não"
Questionado pelos jornalistas sobre se pondera a sua demissão, o presidente-executivo da EDP é categórico: E se pondero a minha demissão? Não”. Mexia sublinhou novamente que as decisões foram colegiais e que considera que a sua saída iria enfraquecer a empresa.
A conferência de imprensa decorreu esta terça-feira na sede da eléctrica, em Lisboa.
"Se alguém beneficiou foi o Estado accionista", diz Eduardo Catroga
O presidente do conselho geral e de supervisão da EDP, Eduardo Catroga, afirmou hoje que se alguém beneficiou com as alterações na revisão dos CMEC e prolongamento da concessão das barragens à eléctrica "foi o Estado accionista".
"Se alguém beneficiou foi o Estado accionista", que na altura tinha uma posição maioritária na empresa, afirmou hoje Eduardo Catroga, em conferência de imprensa, referindo as alterações ao regime contratual com a EDP, introduzidas em 2004 e em 2007.
O antigo ministro das Finanças, sentado hoje ao lado de António Mexia, afirmou que os accionistas da EDP - nomeadamente a China Three Gorges - manifestaram "a sua solidariedade com a gestão da EDP", na sequência do processo de investigação do Ministério Público.

"A EDP sempre se pautou por princípios éticos e de cumprimento da lei", acrescentou.
"A tranquilidade aqui é absoluta", afirmou o presidente da EDP, rejeitando de forma peremptória, em resposta aos jornalistas, a possibilidade de se demitir do cargo que assume desde 2006.

O gestor, um dos quatro arguidos no processo de investigação de corrupção e participação económica em negócio, lembrou que "as pessoas passam e as instituições ficam" e, por isso, "o que importa é clarificar e tirar as dúvidas, porque não se pode nunca por em causa o bom nome da companhia".
Em conferência de imprensa, em que também está presente o presidente da EDP Renováveis, João Manso Neto, outro dos arguidos no inquérito, Mexia realçou que a actualização dos parâmetros de mercado, em 2007, reduziu em 75% o valor dos Custos para Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC) inicial e aumentou em 56% o valor entregue pela EDP ao Estado pelo domínio público hídrico.
"Não houve nenhum benefício em nenhuma das fases aqui referidas", sublinhou, considerando que "a EDP não pode aceitar com ligeireza que se ponha em causa o bom nome das pessoas e, sobretudo, o desempenho da companhia ao longo de décadas".
A investigação
Na passada sexta-feira, 2 de maio, a sede da EDP "foi objecto de uma visita de um Procurador da República do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), acompanhado de vários Inspectores da Polícia Judiciária", afirmou a empresa no próprio dia, em comunicado.
No referido documento, a empresa energética disse que a visita se insere "no âmbito de uma investigação que teve origem numa denúncia anónima" e que se reporta a matéria relacionada com os CAE e a sua substituição pelos CMEC, iniciada em 2004.
Os CMEC são uma das designadas "rendas excessivas" da energia, atacadas pela 'troika' (Comissão Europeia, Fundo Monetário Internacional e Banco Central europeu), durante o programa de assistência financeira a Portugal.Trata-se de um "pagamento adicional" sobre as receitas de mercado que a EDP aufere, que visa garantir que a margem bruta angariada pela empresa em mercado, adicionada da compensação CMEC, seja aproximadamente idêntica à que havia sido contratada nos CAE, cuja cessação ocorreu em Junho de 2007, antes do arranque do funcionamento do mercado grossista de energia eléctrica, que aconteceu em 01 de Julho de 2007.
A cessação dos CAE aconteceu há quase dez anos e foi formalizada numa cerimónia na Barragem do Castelo de Bode, Tomar, pelo então ministro da Economia e Inovação, Manuel Pinho.Manuel Pinho representou a decisão tomada em Conselho de Ministros no dia 15 de Março de 2007, que alterou o decreto-lei de 2004, fixando o preço das compensações a pagar à EDP em 50 euros o megawatt/hora (Mwh), ao contrário dos anteriores 36 euros por MWh.
Além dos presidentes da EDP e da EDP Renováveis, foram constituídos arguidos o administrador da REN e antigo consultor do ex-ministro Manuel Pinho, João Faria Conceição, e Pedro Furtado, responsável de regulação na empresa gestora das redes energéticas.
[Notícia actualizada às 10h45]

Estes indivíduos acima citados são peritos na arte da decepção. Provavelmente dos melhores que conheço, particularmente o tal Mexia.

Convém atentar num pormenor: segundo o inefável Catroga o Estado saiu beneficiado. Que Estado? Há o Estado-Administração e há o Estado Comunidade.  Pois é provável, a curto prazo que o Estado-Administração tenha estatisticamente saído beneficiado. E os cidadãos serão, neste caso, o Estado-Administração do tempo de José Sócrates?
É isso que importa saber mas não serão estes indivíduos quem no-lo vai dizer, a não ser que haja quem saiba fazer as perguntas certas.

Sugiro um nome que as sabe fazer: Henrique Gomes, ajudante de ministro, na Energia e no tempo do governo de Passos Coelho e que dizia claramente, em 2012, o que havia a dizer.

Estes espertalhões da EDP dos últimos anos deveriam responder a perguntas colocadas por este indivíduo que evidentemente deve também ser ouvido em sede de inquérito no DCIAP. Terá sido?

Nota apócrifa: António Mexia foi o convidado português, junto com o goldman-sacher José Luís Arnaut,  para a reunião deste ano do selecto grupo de Bilderberg.

Nota apócrifa: e afinal não foi. Convidado para tal, não apareceu, segundo se conta aqui:

Estava na lista dos 130 convidados para a reunião anual do Clube Bilderberg mas António Mexia falhou o encontro, noticia o jornal Expresso.
Entre os convidados estavam três portugueses: Durão Barroso, José Luís Arnaut e António Mexia. Contudo, o CEO da EDP, constituído arguido numa investigação do Ministério Público sobre as rendas de energia da EDP faltou à conferência que teve lugar nos Estados Unidos, entre 1 e 5 de Junho.

15 comentários:

Zephyrus disse...

Por causa da EDP caiu um dos melhores ministros que houve em democracia, o Álvaro dos Santos Pereira. E contribuiu para a queda de Vítor Gaspar, outro ministro que destoava do que têm sido as práticas dos últimos 40 anos.

Fala-se que a dívida da EDP será superior a 18 mil milhões.

Há anos que acho que em Portugal estoiram-se fortunas em iluminação pública. Basta cruzar a fronteira e estar atento. Os espanhóis iluminam estradas e caminhos rurais fora das povoações como se faz em Portugal? Não. Nem os ingleses, que são ricos...

Mais uma mama à custa do contribuinte. Que dizem Catarina ou Jerónimo, defensores dos pobrezinhos e oprimidos? Nacionalize-se! Ahah

Zephyrus disse...

Estes também nunca quiseram discutir o nuclear mas babam com as renováveis.

josé disse...

Era no aspecto económico que Salazar iria dar com os burrinhos na água. É sabido que Salazar era contido na ambição. Era um homem do campo, letrado e com inteligência superior. Mas não conseguiria ultrapassar os atavismos que lhe condicionavam a mentalidade: do campo. Era bom mas não para o pais e o seu desenvolvimento.

Bilder disse...

"Temos pena de não ter podido fazer isto na sexta-feira ou ontem [segunda-feira], mas só ontem tivemos acesso ao processo. Por isso, só hoje podemos explicar o que está em causa", declarou."-------------Então não consta que o homem foi um dos convivas do Bilderberg??Claro que os ditos "média-livres" não nos dizem pois a liberdade de reunião das elites globalistas(e fomentadoras de corrupção geral)está acima da liberdade geral e do direito de informação.

josé disse...

Já esquecia isso... de facto foi e tal foi noticiado. Vou acrescentar.

Floribundus disse...

'imagens da montanha' quando esta pariu um rato

da 'pesada herança' aurífera sobraram uns miligramas

toda a esquerda mexia

dutilleul disse...

"...CMEC são uma das designadas "rendas excessivas" da energia, atacadas pela 'troika' (Comissão Europeia, Fundo Monetário Internacional e Banco Central europeu), durante o programa de assistência financeira a Portugal."

Catroga, aqui tens o denunciante anónimo. Processa esses gajos, pá. "Sem politiquices", ou lá como é que tu dizes quando queres meter cunha no Costa.

(E não há quem abra um "inquérito" a estes fdp?)

dutilleul disse...

O Dótôr Passos tocou em tudo de carreirinha como mandava a troika. Só não mexeu em nenhum destes vespeiros. Sabia (sabe) muito bem quem manda. E todos sabem quem paga.

lusitânea disse...

Observo que temos a justiça a governar...porque da montanha de políticos só sai distribuição.Até de nacionalidade a pataco...

Adelino Ferreira disse...

Tudo PPD/PSD


"Nós pomos sempre o interesse do Portugal, à frente do interesse do @ppdpsd" Pedro Passos Coelho
10:00 PM · 2 de jun de 2017 no "tuita" ahahahah um ex Tenoforma desenhado a régua a esquadro pelo pinho de Cambra da fundação



Floribundus disse...

'pentelhices' para entretenimento dos órgãos de suserania e vassalagem

estamos em plena época de caça ao contribuinte promovida pelo monhé na ausência de austeridade
... que regressa 'dentro de momentos'

pior que a invasão dos bárbaros

têm por protectora Caca, a deusa romana da merda

josé disse...

"O Dótôr Passos tocou em tudo de carreirinha como mandava a troika. Só não mexeu em nenhum destes vespeiros. Sabia (sabe) muito bem quem manda. E todos sabem quem paga."

O dotor Santos Pereira, "o Álvaro" disse agora ao Público que no seu tempo e que é o mesmo de Passos, cortaram aos rentistas cerca de 3.500 milhões de euros. E que antes deles ninguém cortara nada de nada. Ora antes deles tinham Estado lá o Lino e Pinho ou Pinho e Lino mais aqueles que agora sabemos bem quem é: um corrupto de todo o tamanho segundo se indicia no processo em que é arguido.

altaia disse...

José estás a esquecer que o Álvaro deixou caír o secretário de estado Henrique Gomes que queria fazer esses cortes,o homem foi-se e não cortaram merda nenhuma.

Desculpa mas a minha memória é assim.

josé disse...

Pois então, se quer armar em esperto, leia a entrevista de Henrique Gomes ao DN de hoje, o jornal do Sombra Proença que nisto da EDP meteu pouco prego e menos estopa. Mas sabe muito bem o que se passa...



Manuel Silva disse...

Sobre os cortes deixo algumas sugestões de leitura http://blogs.xl.pt/massamonetaria/rendas-na-energia-um-copo-pelo-meio/ alguns cortes, mas em quem tem pouco poder negocial, ou seja, nas empresas industriais que recebiam da cogeração. A geração eólica pagou http://www.sabado.pt/ultima-hora/detalhe/Apren-satisfeita-com-acordo-para-cortes-nas-eolica mas para continuar a ganhar com renda fixa...

Em Espanha os cortes sobre as renováveis foram significativos descendo o chamado défice tarifário para perto de zero basta ver sobre quem a EDP se queixa https://www.dinheirovivo.pt/empresas/edp-cortes-nas-eolicas-em-espanha-tem-mais-impacto-que-medidas-da-troika-em-portugal/